Terceira pessoa do singular

Pessoas verbais, também chamadas de pessoas gramaticais ou pessoas da linguagem, indicam a posição de uma pessoa na comunicação.

  1. Pessoa: Indica quem está falando – eu e nós;
  2. Pessoa: Mostra com quem está falando – tu e vós;
  3. Pessoa: mostra de quem se fala – ele e eles.

Como escrever na terceira pessoa do singular para o TCC?

Escrever na terceira pessoa pode se tornar uma tarefa fácil com um pouco de prática. Para fins acadêmicos, escrever dessa maneira significa evitar pronomes subjetivos como eu ou você. Para a escrita criativa, existem diferenças nas perspectivas oniscientes, seletivas ou limitadas, objetivas e múltiplas de terceira pessoa. Escolha qual deles se adapta ao seu projeto de escrita.

Use a terceira pessoa em todos os textos acadêmicos. Na escrita formal, assim como na argumentação e no trabalho de pesquisa, a terceira pessoa torna o texto mais factual e menos pessoal. Esse senso de objetividade faz com que o autor pareça menos tendencioso e, portanto, mais crível.

A terceira pessoa ajuda a focar o texto em fatos e evidências, em vez de opiniões pessoais.

Use os pronomes corretos. A terceira pessoa refere-se aos forasteiros. Você escreve sobre alguém usando seu nome ou pronomes de terceira pessoa.

Esses pronomes incluem: ele, ela, dele, ela, eles, aqueles, ela, ela/seu.

Outros nomes populares também são considerados apropriados.
Por exemplo: Silva acredita em outra coisa. De acordo com sua pesquisa, as declarações anteriores sobre este assunto estão incorretas.

Evite a primeira pessoa. Refere-se a uma visão em que o autor fala de sua própria perspectiva, tornando as coisas muito pessoais e opinativas. Você deve evitá-lo na escrita acadêmica.

Os pronomes da primeira pessoa incluem: eu, meu, nós, nosso.

O problema com a primeira pessoa é que academicamente falando soa muito pessoal e subjetivo. Em outras palavras, pode ser difícil persuadir o leitor de que as opiniões e ideias expressas são imparciais. Muitas vezes, ao usar a primeira pessoa na escrita acadêmica, usa-se frases como eu acho que, eu acredito nisso ou na minha opinião.

Exemplo errado: Mesmo que Silva pense assim, acredito que seu argumento esteja errado.
Exemplo correto: Mesmo que Silva pense assim, outros na mesma área têm opiniões diferentes.

Evite pronomes de segunda pessoa. Refere-se ao ponto de vista que fala diretamente ao leitor e está muito familiarizado com ele, já que se fala diretamente ao leitor como se o conhecesse. A segunda pessoa nunca deve ser usada na escrita acadêmica.

Os pronomes da 2ª pessoa incluem tu, seu(s). Evite também o pronome você.

Um dos maiores problemas da segunda pessoa é que ela pode ser acusatória e arriscar colocar muita responsabilidade em quem está lendo a obra.

Exemplo errado: Se você ainda discorda, não precisa saber dos fatos.
Exemplo correto: Alguém que ainda discorda não precisa saber dos fatos.

Geralmente referem-se ao tópico. Às vezes, um autor precisa se referir a alguém indefinidamente, ou seja, pode precisar estar falando de uma pessoa ou se dirigindo a ela em geral. Freqüentemente, nessa situação, há a tentação de mudar para a segunda pessoa. Um pronome indefinido de terceira pessoa ou substantivo é apropriado aqui.

Substantivos indefinidos de terceira pessoa comuns na escrita acadêmica são: o autor, o leitor, pessoas, alunos, um estudante, um professor, uma pessoa, uma mulher, um homem, uma criança, pesquisadores, cientistas, autores, especialistas.

Exemplo: Apesar dos desafios envolvidos, os pesquisadores continuam a defender suas reivindicações.

Os pronomes indefinidos de terceira pessoa são: alguém, alguns, nenhum, qualquer um, todos, ninguém, outros, tudo.

Exemplo errado: Você pode ser tentado a concordar sem conhecer todos os fatos.
Exemplo correto: Alguém pode ser tentado a concordar sem conhecer todos os fatos.

Preste atenção ao uso do plural e do singular. Um erro que os escritores costumam cometer ao escrever na terceira pessoa é usar o plural quando o singular estaria correto.

Esse erro geralmente ocorre quando a frase começa com um verbo transitivo indireto de terceira pessoa seguido de um complemento plural. O erro aqui seria colocar o verbo no plural.

Exemplo errado: Estas são situações em que a testemunha prefere permanecer anônima.
Exemplo correto: Estas são situações em que a testemunha prefere permanecer anônima.

Listra ABNT

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp